Não se trata de ressuscitar passados mas apurar nossa capacidade de escutar as coisas ...

Regina Guimarães


30 de abr de 2015

Ainda EXPOSIÇÃO DESIGN+TEXTIL

Clique AQUI e veja o album de fotos da exposição com todas as peças participantes.

28 de abr de 2015

ARGENTINA - JAPÃO BRAZIL

Fizemos o triângulo ARGENTINA - JAPÃO - BRAZIL


Carolina Uriesti - Kumiko Kuno - Elizabeth Correa

O mote são as rendas de trama radial: o nhanduti e o tenerife!
*clique para saber mais


16 de abr de 2015

RENDA-SE: A CASA NA CASA NOVA!

A CASA MUSEU DO OBJETO BRASILEIRO inaugura sua casa nova com RENDA-SE.


ZUZU ANGEL










Renata Mellão, em parceria com o curador Dudu Bertholini, apresenta a exposição RENDA-SE, com a participação de designers de moda e comunidades rendeiras de vários estados no Brasil.
Em RENDA-SE, estilistas brasileiros e marcas em parceria com comunidades tradicionais rendeiras apresentam criações únicas. Walter Rodrigues se junta mais uma vez à Associação das Rendeiras de Morros da Mariana, com a Renda de Bilro, de Parnaíba, Piauí; Lino Villaventura trabalha a Renda Filé com Perpétua Martins, de Fortaleza, Ceará; a Renda Renascença é utilizada nos trabalhos de Adriana Barra e André Lima com o Clube de Mães de Camalaú, em Camalaú, Paraíba; Amapô e Samuel Cirnansk utilizam a Renda Irlandesa da Associação para o Desenvolvimento da Renda Irlandesa de Divina Pastora, em Divina Pastora, Sergipe; a Renda Labirinto é usada nos trabalhos da Neon/Dudu Bertholini e Rita Comparato e da Huis Clos em parceria com a ONG Caiçara, de Icapuí, Ceará; Liana Bloisi também trabalha a Renda de Bilro no exclusivo ponto “tramoia” com Elita Catarina Ramos, de Florianópolis, Santa Catarina; Martha Medeiros utiliza as Rendas Renascença e Bilro confeccionadas no sertão de Alagoas. 
Outros designers de moda foram convidados para compor a exposição: Ronaldo Fraga e Alexandre Herchcovitch, as marcas Cavalera e Zuzu Angel, cujos trabalhos expostos já pertencem às suas respectivas coleções. Além dos acessórios de Sabrina Chapéus e Christopher Alexander.

11 de abr de 2015

HAPPY ARE THE LACEMAKERS! WHO MADE THIS BEAUTIFUL PIECE?



O título é ótimo e inspirador. Trata-se de um comentário sobre o encontro bi-anual internacional da OIDFA (The International Bobbin and Needle Lace Organization) que aconteceu em Adelaide/Autrália em 2014. O pequeno artigo remete outros links interessantes. Vale a visita. Clique e visite Happy are the lacemakers


HELP:
Não dei o crédito da bela peça acima em renda tenerife porque não consegui achar a rendeira que a fez. Caso v. tenha essa informação, por favor entre em contato e me diga para eu colocar no site. 

There is no credit at the beautiful piece photo because I could not find it. If you know the lacemaker, please, contact me and let me know to put the information at the site.

4 de abr de 2015

CORTINA SOLES: na Exposição DESIGN+TEXTIL até 30/abril

          DESIGN+TÊXTIL é uma exposição de objetos de design utilitário  construídos parcial ou totalmente com técnicas têxteis. A utilização de fios, fibras ou tecidos foi o ponto de partida para selecionar Designers brasileiros de várias regiões do pais que empregam nas suas construções esses materiais e técnicas na composição de seus objetos.

          Reunindo artistas consagrados e novos talentos, traz produtos de design utilitário,reunindo desde designers consagrados e premiados aqui e no exterior como novos talentos. E as técnicas utilizadas são variadíssimos, indo desde a renda artesanal ou o tear manual até o corte a lazer e a modelagem em fio de ferro.


CORTINA SOLES
        
Nós, do Projeto Renda Sol, apresentamos a CORTINA SOLES em que, rompendo a idéia do tecido em renda contínua, tomamos o partido da estrutura modular da renda tenerife, montamos uma cortina de gaze em que módulos da renda foram colocados um a um e vazados. Incrustados como peças preciosas, os módulos permitem a passagem da luz e brilham como pequenos sóis no fundo translúcido. Aliás, a atividade da renda artesanal guarda similaridade com aquela da joalheria e como jóia deve e merece e foi assim utilizada na peça.

        A cortina recebeu 54 módulos de renda em tamanhos variados. Cada módulo exigiu, em média, 75 minutos de dedicação para ter sua trama radial montada e tecida pela rendeira. Somando-se a isso o tempo da aplicação dos pequenos sóis ao tecido, temos perto de 3000 horas de dedicação à arte.

        Esta contabilidade soa como verdadeira quimera mas um outro traço torna essa renda verdadeiramente preciosa. Os desenhos inscritos nos seus módulos foram recriados pelo povo guarani, que a adotou como sua e nela inscreveu os motivos da flora, fauna e da vida, fazendo dela expressão da criatividade e da imaginação popular de nosso continente.