28 de abr de 2018

Ronaldo Fraga: A moda tem que ter propósito, assim como a vida.”

A roupa de Ronaldo Fraga nunca é só roupa. O estilista mineiro traz sempre significados ora políticos, ora sociais às suas criações, transformando os desfiles em manifestos. Desta vez, Ronaldo jogou luz à maior tragédia ambiental da história do Brasil: o rompimento da barragem de Mariana, Minas Gerais, em novembro de 2015. Com uma mensagem de reconstrução e resistência, ele se uniu a bordadeiras da região de Barra Longa, devastada pelo acidente, para desenvolver as peças da coleção apresentada na São Paulo Fashion Week (SPFW).


                             Pioneiro em desenvolver parcerias com comunidades artesãs para a produção de suas roupas, Fraga critica, em entrevista à BBC Brasil, o que vê como preconceito com os produtos artesanais nacionais. "O artesanato brasileiro é visto como coisa de pobre, feito para comprar para ajudar gente pobre", diz.
Leia abaixo os principais trechos da entrevista:
BBC Brasil - Sua nova coleção traz trabalhos das bordadeiras da região de Barra Longa, atingida diretamente pela tragédia em Mariana (em 2015, o rompimento de uma barragem da mineradora Samarco inundou de lama diversas comunidades da cidade mineira). Há uma preocupação de que esse ofício se perca nesse local? Qual seu objetivo com isso?
Ronaldo Fraga - Gerar emprego e renda com reafirmação e apropriação cultural. É isso que faz com que mantenha-se o corpo e a musculatura do saber. E mais: que estimule a geração que está por vir a enxergar isso como valor.
Modelo do desfile de FragaDireito de imagemMARCELO SOUBHIA / FOTOSITE
Image captionModelo do desfile de Fraga: 'O que interessa é a moda ser entendida como cultura - isso é indiscutível', diz estilista
BBC Brasil - Mas o artesanato brasileiro é visto dessa forma pela nossa sociedade? Há algum tipo de preconceito?
Fraga - Claro. Há muito preconceito do brasileiro com nosso artesanato. O artesanato brasileiro é visto como coisa de pobre, feito para comprar para ajudar gente pobre. As pessoas não têm a educação, o saber e a boa vontade para poder ter o mínimo de esforço em enxergar a ancestralidade, a formação de um povo ali. Isso é muito característico de um país colonizado, porque eternamente vai achar uma renda europeia infinitamente mais bonita do que uma renda brasileira, quando essa renda brasileira conta a história desse povo.
Esse bordado de Barra Lagoa por exemplo, ele veio para o Brasil através dos portugueses no século 18, nos áureos tempos (das cidades mineiras) de Mariana e Ouro Preto. E Barra Lagoa era o polo dessa produção. Após essa tragédia ambiental nós corremos o risco de uma tragédia cultural porque, estigmatizadas, essas pessoas estão largando suas terras, mudando de cidade. Corremos o risco de esse saber desaparecer. Então é preciso que as novas gerações entendam esse valor.
fonte: BBC BRASIL

21 de abr de 2018

Renda é quase uma forma de feitiçaria!


“Criar renda é mágico; é quase como uma forma de feitiçaria ”Elena Kanagy-Loux


“Creating lace is magical; it’s almost like a form of witchcraft,” Kanagy-Loux explains. “And you’re making something that is completely useless; you don’t wear it, you just hang it on the wall.” Still, she says, she finds lacemaking “physically addictive,” and is on a mission to get more people to take up the craft. Just don’t call it a revival. “Lacemaking has never been dead or lost; it is still being made. It just doesn’t have good PR. I’m trying to be the PR campaign for lace.” Part of that is making people more aware of the material itself. “I want to expand people’s minds beyond the frothy tulle we think of as lace,” she says.


fonte: http://bust.com/style/194476-this-textile-artist-is-giving-new-life-to-traditional-lacemaking.html


Criar renda é mágico; é quase como uma forma de feitiçaria ”, explica Kanagy-Loux. “E você está fazendo algo que é completamente inútil; você não a usa, você apenas a pendura na parede." Ainda assim, ela diz, que acha que a renda é "fisicamente viciante"e sua missão é fazer com que mais pessoas assumam o ofício. Só não chame de "revival". “Renda nunca esteve morta ou perdida; ainda está sendo feita. Simplesmente não tem boas relações públicas. Estou tentando ser essa relações públicas. Parte disso é tornar as pessoas mais conscientes da técnica em si." "Eu quero expandir a mente das pessoas para irem além do tule cremoso que pensamos como rendas", diz ela.(tradução livre)
    
                                                    

19 de abr de 2018

Do Baú de Janine Rabelo Machado

Janine veio aprender a fazer renda no nosso curso de INICIAÇÃO À RENDA TENERIFE no último final de semana e trouxe para compartilhar conosco esse belo peitilho de renda feita em macramé. Foi feito por sua avó, Maria do Carmo Coelho Rabello (Botucatu/SP, 1900-2002).



Conhecia renda de macramé apenas em livros. Para mim essa peça mostra que renda pode ser feita em várias técnicas. E que não é técnica que faz a renda, é sua delicadeza, perfeição, beleza, mais uma joalheria que um artesanato.

A resposta a "o que é renda" é para mim uma quimera, mas gosto bastante da citação abaixo colhida no site da Professora Elizabeth M. Kurella, Curator of Antique Lace:

“A piece of lace is an artistic composition expressed in twisted thread, just as a piece of wood carving is the expression of the artist’s idea in chiselled wood.  Lace is not, like embroidery, an ornamented fabric; it is itself ornament.  It is not the application of art to a craft; the whole pattern is the fabric, and the fabric is the pattern.“ (Thomas Wright,   The Romance of the Lace Pillow, H. H. Armstrong, Olney, Bucks, England, 1919)
                       

2 de abr de 2018

ARTESANATO TRADICIONAL CRESCE 83,7%

Renda Turca de Bicos: uma RENDA gerando RENDA (fonte: Jornal Estado de Minas)


Num balé de linhas e agulhas, a vida passa em sucessão de cenas pelas cabeças de jovens a mulheres maduras, que vão traçando saídas encontradas na arte do bordado e da renda para assumir o próprio controle sobre os desejos, a profissão e a manutenção da casa e dos filhos. O ofício tão antigo quanto os tempos coloniais – trazido ao país pelos portugueses e espanhois – se fortalece, em lugar de sucumbir aos tempos em que um simples toque no celular resolve com impressionante praticidade do almoço ao jantar. Num cenário de crise da economia, então, se diversifica e atrai mais mãos quase mágicas.
Das técnicas do crivo ao richelieu, os grupos de bordadeiras vêm crescendo em várias regiões de Minas Gerais, onde a arte virou tradição, ou não perdeu o laço cultural, a exemplo de Sabará, na Região Metropolitana de Belo Horizonte; Turmalina, Berilo e Veredinha, no Vale do Jequitinhonha; Tiradentes, na porção central do estado, e Ipanema, no leito do Rio Doce.
Num país em que se dá pouca importância ao que dizem as estatísticas, os poucos dados existentes sobre o artesanato do bordado mostram que a atividade desponta na geração de emprego e renda em 4.243 municípios do Brasil, 76% do total, com base na pesquisa mais recente sobre o negócio da cultura nos municípios feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referente a 2014. É como um traço da cultura nacional, desenvolvido em todos os estados, do Nordeste ao Sul do país.
Sergipe lidera a geografia do bordado, e na ice-liderança, ainda de acordo com o levantamento de dados do IBGE, empatam Minas Gerais e Goiás. Há bordadeiras trabalhando em 714 municípios mineiros, universo que representa 83,7% das cidades do estado. Quando consideradas as 44 cidades onde o artesanato da renda é desenvolvido, a média mineira sobe a 88,9% dos 853 municípios.
Trata-se, no Brasil e em Minas, de uma larga vantagem do bordado frente aos trabalhos feitos em madeira, material reciclado, barro e couro, entre outros. Na pesquisa anterior, de 2012, a atividade estava presente em 81,5% das cidades mineiras. Ponto paris, matizes, ponto atrás, richelieu, bainha aberta, pontos livres, as agulhas de Nayla Magalhães contam histórias bordadas no linho, no algodão, em toalhas e colchas, em jogos americanos, em saias e blusas, em camisas delicadas.

DIVERSIDADE 
Nayla tem muita habilidade com as agulhas, mas ela também tem talentos com a RENDA. A artesã de 65 anos é uma das responsáveis por manter vivo no município histórico a renda turca de bicos, registrada como bem de natureza imaterial, uma releitura da tradicional renda europeia. O trabalho que preserva a cultura do estado também gera emprego e renda. “Para nós, o ano não foi ruim. Participei de feiras com boas vendas, tive muitas encomendas para o Natal e estou com a agenda cheia até junho do ano que vem”, comemora a bordadeira.
Elas produzem e comercializam de itens decorativos a utilitários. “É um artesanato que começa na arte manual, e conjugado com outras matérias-primas leva à criação de produtos de maior valor agregado. O bordado ganha espaço também por carregar uma identidade cultural forte”, afirma Sabrina Campos. Faltam estatísticas sobre a receita movimentada pela atividade.
Sabrina destaca que o Sebrae tem observado aumento das vendas dos grupos de bordadeiras nos últimos dois anos. Na forma de ofício, o bordado e a RENDA ganharam, ainda, versões desenvolvidas em diferentes regiões de Minas e do país. No Nordeste, por exemplo, artesãos se especializaram na RENDA IRLANDESA e na Paraíba cresceu o trabalho da RENDA RENASCENÇA.

Saiba mais sobre o interesse comercial pelos artesanatos tradicionai e o crescimento da RENDA como atividade comercial no artigo abaixo:
http://www.centrocape.org.br/destaques/noticia/artesanato-associado-a-tradicao-cresce-em-837-dos-municipios-de-minas