23 de out de 2011

Os  colares em RENDA SOL estão na página principal da n/loja virtual
www.artesanum.com.
.
Clique AQUI e conheça os modelos em estoque ou encomende o seu exclusivo.

16 de out de 2011

Agora sao 4 peças similares! Now there are 4 pieces with the same pattern! Ahora son 4 piezas con motivos idénticos!

do acervo do Powerhouse Museu
peça de nosso acervo
peça de Annick Sanjurjo
acervo do The Lace Museum & Guild

Achamos uma quarta peça em renda nhanduti com padronagem similar!
Nesta postagem AQUI mostramos tres peças em renda nhanduti com padronagem similar. Uma peça é do nosso acervo de renda, outra é de Annick Sanjurjo, a terceira toalha localizamos através da web no acervo do The Lace Museum & Guild, situado na California/USA. A quarta peça, que acabamos de conhecer, faz parte do acervo do Powerhouse Museum de Sydney/Austrália, integrando a coleção de téxteis, vestidos e trabalhos de agulha reunidas  por Helen McLeod Crocker, viajante e colecionadora, que esteve no Paraguai em 1977.

Clique AQUI para visitar a postagem com mais detalhes sobre as 3 peças e AQUI para detalhes da 4° peça de renda.
---------------------

We find the fourth piece in nanduti lace with similar pattern!
This post HERE show the three pieces we met with similar pattern. One is of our collection, other owned to Annick Sanjurjo and the third is at The Lace Museum & Guild collection, located in California/USA. The fourth piece we know yesterday is at 
Powerhouse Museum , Sidney/Australia. It forms part of a  collection of textiles, dress and needlework by Mrs Helen McLeod Crocker, traveller and collector that went to Paraguay at 1977.

Click HERE to the post about the 3 mats and HERE to know more about the fourth piece.

-------------------

Encontramos la cuarta pieza en encaje ñandutí con patrón similar!
Este post AQUI muestra  tres piezas con motivo similar. Una es  parte de nuestra colección, otra es propiedad de Annick Sanjurjo y la tercera es de la colección de The Lace Museum & Guild,  California/USA. Ahora ubicamos una cuarta pieza en lo Powerhouse Museum. Sydney/Australia. Es parte de la colección de textiles, vestidos y costuras reunidos por Helen McLeod Crocker, viajera y coleccionista que estuve en Paraguay em 1977.

Haga clic AQUÍ y visita el post sobre las 3 piezas y AQUI para detales de la cuarta pieza.

4 de set de 2011

Encontro Mundial em 2012


XV° Congresso Mundial de Renda da OIDFA - Organização Internacional de Renda de Bilro e de Agulha
em 2012 em Caen, Normandia, França.

Mais informações clique AQUI.


A renda é parte importante da cultura e da história da Normandia, que reune as três técnicas na região: a renda de bilro, a renda de agulha e a renda filet. Leia o texto Rota das Rendas da Normandia clicando  AQUI.


7 de ago de 2011

Sol Lace versus Spider Web

renda sol de Hvar

spider web de Pag


Pelo menos três rendas tradicionais resistem na Croácia, concentradas nas cidades de Pag, no Adriático, Lepoglava, no norte da Croácia e em Hvar, na ilha do mesmo nome situada na Dalmácia. A renda de agulha de Pag era originalmente usada para fazer vestes eclesiásticas, toalhas de mesa e enfeites para o vestuário. É feita decorando-se uma base com formato de teia de aranha com filigranas e motivos geométricos e hoje é ensinada pelas senhoras mais velhas que oferecem cursos com um ano de duração. A renda de bilro de Lepoglava é trançada com linhas que são enroladas em bilros e frequentemente é usada para confeccionar as fitas para os trajes folclóricos ou para ser vendida nas aldeias. Todo anos o Festival Internacional de Renda de Lepoglava celebra a arte. A renda de Aloe é feita apenas na Croácia pelas monjas beneditinas, na cidade de Hvar. Muito fina, os fios brancos são obtidos a partir da polpa das folhas aloe vera e é tecida utilizando-se vários pontos, entre eles o ponto de nós de rede (e o tenerife, como podemos ver nas fotos do site e o texto do video - n/comentário). Estas rendas tornaram-se um símbolo de Hvar. Essas rendas foram desenvolvidos pelas mulheres da área rural como fonte de renda complementar e deixaram uma marca permanente na cultura da região. O ofício produz tanto um elemento importante da roupa tradicional como é, em si, o testemunho de uma tradição cultural viva. (tradução livre)

fonte: Lacemaking in Croatia UNESCO: Representative List of the Intangible Cultural Heritage of Humanity - 2009

Por lo menos tres tradiciones de encaje persisten hoy en Croacia centradas en las ciudades de Pag en el Adriático, Lepoglava en el norte de Croacia y Hvar, en la isla de Dalmacia del mismo nombre. El encaje ad aguja de Pag se utilizó originalmente para hacer  vestes eclesiásticas, manteles y adornos para la ropa. El proceso consiste en embellecer un patrón de tela de araña con motivos geométricos y se transmite hoy por las mujeres mayores que ofrecen cursos de un año de duración. El encaje de bolillos de Lepoglava es hecho con hilos trenzados en husos o bobinas, y se utiliza a menudo para hacer cintas de encaje para los trajes típicos o se vende en las ferias de lo pueblo. Lo Festival Internacional de Encaje de Lepoglava celebra el arte cada año. El encaje de Aloe está hecho en Croacia sólo por las monjas benedictinas de la ciudad de Hvar. Hilos delgados y blancos se obtienen de las hojas de aloe vera y tejidos en un modelo de red o de otro tipo de punto sobre un cartón de fondo. Las piezas resultantes son un símbolo de Hvar. Cada variedad de encajes ha sido creado por mujeres del medio rural como una fuente de ingresos adicionales y ha dejado una marca permanente en la cultura de su región. La artesania produce un componente importante de los trajes tradicionales y es en si mismo aún un testimonio de una tradición cultural viva.

26 de jul de 2011

Are we made of lace? Somos feitos de renda?


"Quando eu faço rendas, estou totalmente em paz e em sincronia com meu ritmo interior. É como se existisse um significado profundo nisso. Recentemente me deparei com imagens de um microscópio eletrônico e foi como encontrar a peça que faltava neste quebra-cabeça. As imagens das estruturas celulares parecem rendas. Plantas, plâncton do mar, os seres humanos … a renda primordial que não pode ser vista a olho nu mas está em tudo."
Are we made of lace? de Lenka Suchanek
Muitos associam renda com toalhinhas cheias de poeira porém a Exposição Love Lace, que será aberta no dia 30 próximo no Powerhouse Museum em Sidney, Austrália, mostra que podemos associar renda com experimentação de ponta.

"Vai haver um monte de pessoas dizendo que isso não é renda de verdade", diz o curador da mostra, Lindie Ward, "Mas eu estou olhando as rendas em termos de suas qualidades gráficas e como se joga com o espaço preenchido e o vazio ... Quando se projetou a renda nos séculos XV e XVI o que estava sendo feito era um produto contemporâneo, um design excitante ... Eu estou tentando ampliar a idéia das pessoas sobre o que se pode fazer com essa maravilhosa técnica."

Joalheiros, artistas, arquitetos e designers de moda apresentaram obras feitas de fios de algodão, aço, papel ... . Algumas obras atá usam as técnica tradicionais, mas têm pouca semelhança com os trabalhos de renda à moda antiga.
.
Conheça a LACE LOVE EXHIBITION clicando AQUI  
e o site da exposição AQUI

Já mostramos peças em renda nhanduti do acervo do Powerhouse Museum. Veja AQUI
fonte: http://www.brisbanetimes.com.au/entertainment/art-and-design/hello-doily-20110721-1hper.html

20 de jul de 2011

Renda tenerife no museu de Horche/Espanha

Na Igreja de N.Senhora da Assunção de Horche, Guadalajara, Espanha, um pequeno museu guarda, entre outras peças do enxoval litúrgico, algumas com renda tenerife. 
.
Descobri esta preciosidade no album de fotos do Encontro de Rendeiras de Horche de junho passado de Malú Bolitriz no Picasa (visite cliquando AQUI) que conheci através do site da Associação Ibn Al Baytar, sempre muito frutífero nas notícias dos Encontros de  Rendas e de Rendeiras da Espanha . Clique e acesse o Blog Encajeras Bolilleras.














Conheça um pouco da arquitetura quinhentista de Horche clicando AQUI e pelo vídeo abaixo (em espanhol)

1 de jul de 2011

OUTRAS PRÁTICAS: BORDAR SÃO PAULO

A oficina “Bordar São Paulo - Um retalho de nossa cidade” é uma atividade da Casa de Dona Yayá, Centro de Preservação Cultural da Universidade de S.Paulo- USP, e propõe a criação de imagens pela arte do bordado resultando num painel produzido coletivamente que expresse as vivências e lembranças dos moradores, trabalhadores e frequentadores do bairro do Bixiga. 
Juntamente com trabalhos de grupos de bordados que vêm se formando na cidade, o painel coletivo ficará exposto para apreciação do público na Casa de Dona Yayá do início de agosto até 09 de setembro de 2011.
.
Para saber mais, clique AQUI.

17 de jun de 2011

Soles de Maracaibo, Zulia, Venezuela




"Um grupo de dedicadas e criativas senhoras da Zulia, Venezuela, mantem  entre os costumes e tradições a tecelagem dos "Soles de Maracaibo", expressão única deste tipo em toda a Venezuela".

Dizem que o Sol é de Maracaibo, a amada Terra do Sol, mas com uma certa tristeza e grande alegria um grupo de senhoras marabinas veem os Soles de Maracaibo ir para muito longe. Eles são levados para serem expostos e apreciados na Alemanha, na Espanha e na França, onde a expressão
única e original fazem os "Soles de Maracaibo" brilharem, uma tradição que se mantem graças ao louvável trabalho de duas dedicadas professoras marabinas que se entregam de corpo e alma para manter viva esta técnica que muitos acreditavam morta mas que vive graças a estas senhoras zulianas.

Os Soles de Maracaibo datam do século 18, época da conquista, quando uma família de Perijá aprendeu a arte de tecer estes soles com uma senhora de origem canária que lhes ensinou o trabalho nativo de Tenerife, Ilhas Canárias. Conta Da. Elba que este costume deve ter entrado pelas portos, através do navios vindos da Espanha, pelas mãos das mulheres dos colonizadores que chegaram em Maracaibo. Esta família - diz a professora Elba Morales - se interessava por esta bela e difícil técnica e Da. Cepeda e suas 10 filhas tomaram a tecelagem como forma de vida e dedicaram-se a fazer e a divulgar os Soles para as famílias estrangeiras que viviam em Maracaibo ou estavam em visita.


Depois de quase dois séculos os Soles seguem vivos por causa das mãos destas marabinas dedicadas que afirmam à Venezuela e a todo o mundo que os Soles vão continuar por muitos anos iluminando a imaginação daqueles que sabem apreciar esta tecelagem que tantos lauros e tanto reconhecimento deu a esta terra onde, as mãos das irmãs Cepeda Conde ontem e hoje as mãos da Professora Elba Morales de Rondon mantêm viva a tradição."
fotos enviadas por Marlene Nava

"Dentro de las Costumbres y tradiciones de Maracaibo, un grupo de creativas y dedicadas señoras zulianas, mantienen vivos los brillantes hilos de "Los Soles de Maracaibo", única expresión artística de este tipo en toda Venezuela.

Dicen que el Sol es de Maracaibo, la Tierra del Sol amada, pero con pena y una gran alegría, un grupo de señoras marabinas, ven partir los Soles de Maracaibo muy lejos, los ven partir a Alemania, España Francia, donde se los llevan para ser expuestos y apreciados, brillando con luz propia, con una original imaginación puesta en ellos, con un único sentimiento que hacen de los "Soles de Maracaibo" una expresión única y tradicional, que perdura con el tiempo gracias al encomiable trabajo de dos dedicadas profesoras marabinas que se entregan en cuerpo y alma por mantener viva esta labor que muchos creyeron muerta, pero que sigue viva gracias a estas damas zulianas.

Los Soles de Maracaibo, una tradición artesanal que data del siglo XXVIII en la época de la conquista, donde una familia en Perijá aprendió el arte de tejer estos soles gracias a una señora de origen Canario, quien les enseñó esta labor oriunda de las Islas Canarias, Tenerife. Nos cuenta la señora Elba que esta costumbre pudo entrar por los Puertos, en los barcos provenientes de España, directo de manos de las esposas de los colonos que llegaron a Maracaibo. Esta Familia - nos comenta la profesora Elba Morales - se intereso en esta bella y sacrificada labor, así la señora Cepeda y sus 10 hijas toman esta labor como un modo de vida y se dedican a realizar los soles para las familias extranjeras que visitaban o vivían en Maracaibo.

Ahora los Soles, después de casi dos siglos siguen y perpuran en las manos de estas abnegadas marabinas que le dicen a Venezuela y todo el mundo que los Soles seguirán por muchos años mas iluminando la imaginación de quienes saben apreciar este hermoso tejido que ha dado tantos lauros y reconocimientos a esta tierra que los hizo famoso de la mano de las Hermanas Cepeda Conde y que ahora siguen la tradicion con la Profesora Elba Morales de Rondón."
 
fonte: http://ligiamarval.blogspot.com/
fotos enviadas por Marlene Nava
  

26 de mai de 2011

Encontramos na net

"..................
Estudando um pouquinho mais o figurino de Cordel Encantado (novela da TV Globo) descobri esta saia feita através de uma técnica chamada Nhanduti.
.
A renda Nhanduti ou Tenerife é uma categoria de renda difundida nos países latino americanos pela dominação espanhola e que teria alcançado o Brasil especialmente através do Paraguai. 
.
A origem do nhanduti, diz a lenda, está ligada a uma inconsolável indígena cujo amado desapareceu no dia do casamento. Ao achá-lo morto na selva fechada, ela se abraçou ao seu corpo, velando-o toda a noite. Ao amanhecer, a luz do sol mostrou que o guerreiro morto estava coberto por um belo manto de teias tecido pelas aranhas. A noiva buscou fios e agulhas e, copiando o trabalho das aranhas, teceu para o amado uma deslumbrante mortalha, criando a primeira peça de nhanduti.
.
Uma trama radial é montada pela rendeira sobre um bastidor onde o desenho final vai se definindo conforme a variação de pontos básicos executados sobre ela. É conhecida também por renda do sol porque os vários motivos são tecidos sobre a trama que parte de um centro, assemelhando-se a uma teia de aranha, que é o significado do seu nome paraguaio (na língua guarani), “ñanduti”. Um grupo de pessoas se reuniu durante 3 meses no APA – Espaço Cultural para somar experiências e o conhecimento de cada um, resgatar e não deixar morrer a arte da renda Nhanduti.
..................."


Nosso comentário:
Cris Vieira no delicioso blog Diário do Figurino descobriu uma saia da personagem da novela feita em nhanduti ou renda tenerife. Como vemos na foto, feita com módulos grandes, sextavados e com linha grossa (provavelmente linha Clea). Exatamente da forma como fazíamos no início de nossa pesquisa sobre a técnica. 
E os parágrafos acima, com exceção do primeiro, também são da fase inicial da nossa pesquisa. O grupo e a proposta do NHANDUTI DE ATIBAIA começou exatamente dessa forma em 2005, quando reunimos  interessados e interessadas algumas tardes de sábados na APA-Associação dos Artesãos de Atibaia para, juntos, descobrirmos como era feita a tecelagem já praticamente esquecida. O texto da lenda do nhanduti desde então e até hoje está na web (AQUI) e já ilustrou muitos comentários sobre a renda, o que continua a nos orgulhar, especialmente quando olhamos nosso caminho e aonde nossa pesquisa nos levou. Chegamos à renda sol, como a renda era feita e conhecida no início do Sec.XX.

Saiba mais sobre o projeto RENDA SOL
clicando AQUI.
.
toalha de bandeja renda sol
toalha de bandeja (fio Cléa)
Clique sobre as fotos para aumentá-las e ver as diferenças e as possibilidades da  técnica.

22 de mai de 2011

Renda Tenerife na Espanha




A Espanha tem uma movimentação enorme em torno da renda artesanal como atividade de lazer ( dizem lá "ocio").  As cidades espanholas tanto pequenas como grandes realizam encontros de rendeiras nos finais de semana e disputam na agenda o comparecimento de artesãs e de interessados e interessados nesses eventos.

A imensa maioria das rendeiras são dedicadas à renda de bilro, em sua vasta gama de possibilidades e regionalidades, mas também encontramos artesãs dedicadas a outras atividades da tecelagem, da costura e dos vários bordados. Em Úbeda, por exemplo, encontramos muito frivolité, resgate incentivado por Juanita, ex-presidente da Associação de Rendeiras local.

Bastante raro é encontrarmos nestes eventos de rendeiras quem faça ou se dedique à renda tenerife (o que, aliás, confirma a situação de quase esquecimento da técnica). Manolo, responsável pelo site da Associação Ibn Al Baytar, de rendeiras de bilro de Benaldema-Costa, Málaga, é frequentador assíduo e divulgador dos Encontros e há algum tempo fez uma divagação sobre a renda tenerife em seu blog, divagação esta motivada por uma postagem do site NHANDUTI DE ATIBAIA em que mostramos três peças de renda nhanduti feitas ao longo do século passado porém com idêntica padronagem (veja AQUI o post), repetição de padrões certamente imposta à rendeira pelo mercado da renda artesanal, como Manolo bem colocou. Leia abaixo o comentário sobre a repetição de padrões.
 .
Onde fica La Mojonera?
  
 Uma das Associações participantes (do Encontro) era a de Huércal de Almería, e nela havia uma senhora que me chamou a atenção por estar fazendo renda tenerife, já que é muito difícil de encontrar quem faça essa técnica, e conversamos um pouco. Ela me contou que sua avó é que lhe havia ensinado a tecer e que embora ela já não fosse jovem estava sempre fazendo alguma coisa. Comentei com a senhora do estudo que Elisabeth do Brasil vem fazendo sobre a renda tenerife e sobre tres peças que ela encontrou com as mesmas características, sendo que tais peças foram feitas ao longo de um período de cerca de 100 anos. E falando destas peças encontradas por Elisabeth lembramos que algumas rendeiras de Almagro ou de Hinojosa (duas das poucas cidades espanholas que ainda tem na renda uma importante atividade econômica)  que faziam/fazem sempre dois ou tres modelos de renda de bilro e adquirem tal experiência e rapidez para faze-los que acabam fazendo somente estes poucos padrões já que com eles conseguem ganhar melhor  com a atividade de rendeira e acabam assim, durante toda sua vida, fazendo sempre os mesmos padrões. Será que alguma coisa semelhante se passava com as rendeiras de nhanduti na América do Sul?
(Tradução livre com adendos nossos entre parênteses)
 ..............................
 Quer saber mais sobre a importância econômica
da renda na Espanha e Europa até o início do Sec.XX?
Clique AQUI e acesse uma interessante
postagem do blog parceiro Con Nuestras Manos

"COMENTARIO DO VII ENCONTRO DE RENDAS DE BILRO DE LA MOJONERA"  Una de las Asociaciones participantes, eran las de Huércal de Almería y allá había una Señora con un Tenerife que me llamó la atención, es muy raro el encontrarte con algo de esta técnica y estuve hablando un poquito con ella. Me decía que se lo había enseñado su abuela, y ella ya no era una jovencita, y que ahí andaba practicando y haciendo sus cositas. Le estuve comentando el estudio que lleva a cabo Elisabeth de Brasil, sobre un tapete que del mismo modelo, en todas sus características, se saben tres tapetes realizados en un período de más de 100 años. Ya comentaremos del estudio de Elisabeth y que estamos tratando de unir a la costumbre de las Encajeras de Hinojosa o de Almagro de que hacían/hacen un mismo modelo, o dos o tres o cuatro durante toda su vida y con la experiencia y conocimiento que ya tenían de sus pocos modelos, hacen/hacían un tapete en un dos por tres y a cobrar y hacer Caja, ¿pasaba lo mismo o parecido con el Nhanduti/Tenerife/Rosetas por Sur América?

Veja a postagem na íntegra: http://encajerasbolilleras.blogspot.com

8 de mai de 2011

OUTRAS PRÁTICAS


Luisa Ferreira é artista plástica e utiliza a cultura e o imaginário da tradição

zuliana em sua obra. A Zulia é o Estado (Departamento ou Provincia) da Venezuela em que se situa a cidade de Maracaibo, na margem do grande lago do mesmo nome.
Os soles de Maracaibo (dos quais falei AQUI) e a sua forma de tecelagem estão presentes na obra da artista.  
Conheça seu blog clicando AQUI.



AQUI v. acessa um artigo sobre as várias
tecelagens da Venezuela

1 de mai de 2011

Novos lugares

.
Hoje a Rosa do blog  FAZENDO ARTE entrou em contato com a gente. Ela se diz costureira e além de estar  aprendendendo a fazer renda de bilro ela tem um site cheio de seus muitos interesses na cultura tradicional e popular.

Pensando nos amantes da Renda de Bilros - já tenho contato com OMI RENDÊRO e CON NUESTRAS MANOS, resolvi abrir mais espaço na barra lateral para indicar sites deste e outros assunto e ter esses extraordinários pesquisadores ao lado da gente. Tem também o pessoal da tecelagem, como a ZILAMAR TAKEDA do FELTRO DESIGN, nossa parceira nos curso de renda, e o pessoal da moda consciente como o ECOTECE...
E outros que vamos lembrar e colocar. Afinal, quem cai na rede é para se enredar!
.

Hoy Rosa de lo blog FAZENDO ARTE (HACER ARTE) nos ha contactado. Ella dice ser costurera y aún aprende a hacer encaje de bolillos. Tiene un sitio lleno de sus muchos intereses en tradicciones y cultura populares.
Pensando en los amantes del encaje de bolillos - ya tenemos contacto con la OMI RENDERO (HOMBRE ENCAJERO) y CON NUESTRAS MANOS, decidí abrir más espacio en la barra lateral para indicar los sitios de diversas materias, asi tenemos estos maravillosos investigadores  a nuestro lado. Hay también las tejedoras, como ZILAMAR TAKEDA do FELTRO DESIGN, nuestra compañera nel cursos de encaje y los sites de propuestas de conciencia como ECOTECE...

Nos recuerdaremos de los otros. Después de todo, quien cae en la red es enredado!

24 de abr de 2011

Curso de Renda no ATELIER FELTRO DESIGN de Zilamar Takeda

.
Se v. perdeu o curso de abril, planeje-se.
O próximo curso INTRODUÇÃO À RENDA SOL acontece no segundo semestre!
.
Zilamar Takeda e as rendeiras

Fazendo renda
Clique AQUI visite o site FELTRO DESIGN e veja mais fotos.

Clique e veja as fotos do Curso de Renda Sol.
.

10 de abr de 2011

Encontro de Rendeiras de Úbeda 2011, Espanha.



Em 2010 estivemos no Encontro de Rendeiras de Úbeda, Jaen.

Relato da n/viagem AQUI.

Conheça Úbeda, Cidade Patrimonio da Humanidade, através do site em 3D UBEDA, CIUDAD DEL RENASCIMIENTO 

27 de mar de 2011

Apareceu na e-bay inglesa

 ANTIQUE TENERIFFE LACE WHEEL & CUSHION - BRIGGS PATEN







An antique Briggs Patent Teneriffe lace maker's brass wheel on its original green baize cushion. The wheel is fixed to the cushion with pins and is engraved with the words:
Briggs Patent Teneriffe Wheel
This unusual piece is in good condition with a few small holes in the green woollen fabric cushion. It measures 4.25 inches (11 cm.) square and the brass wheel measures about 2.2 inches (5.5 cm.) across.

Fonte: eBay

16 de mar de 2011

12 de mar de 2011

Renda de Agulha no Brasil: renda renascença




A renda Renascença tem alguns centros de produção relevantes na região nordeste do Brasil. Um deles, em Jataúba, no Estado do Pernambuco, foi incentivado pelo Artesanato Solidário.

Fonte: o site Omi Rendeiro abriu o blog Renda de Agulha dedicado apenas renda renascença e à renda irlandesa feita no Brasil.

6 de mar de 2011

Toalha de Renda Sol (HM Antique Vtg TENERIFE LACE Tablecloth *COLLAR SHAWL*)


"Antique hand made Tenerife bobbin lace tablecloth in a rich cream... With options being limited only by one's imagination, this airy panel fashioned of linen or metis, is displayed as a possible small collar cape or scarf, and features an open floral geometric motif with radiating starbursts... Circular-shape, measures ~38in across, and finished off with a deeply scalloped edge all around.  Unlaundered, and in overall very good condition, with age discoloration, few spots, and a rare broken bride.  Otherwise, no other issues noted.

O texto acima, do vendedor da E-bay, informa que a peça é de renda de bilro. Eu diria que se trata de uma bela toalha em renda sol, que ele propõe que também pode ser usada como xale. Repare como todos os módulos são circulares!


 El texto anterior de la tienda E-bay, informa que el encaje es encaje de bolillos. Yo diría que se trata de un hormoso pañuelo en encaje sol. Se propone que también se puede utilizar como un chal. Nótese como todos los módulos son todos circulares!

Mais detalhes clique AQUI.

23 de fev de 2011

Vestido preto com Renda Sol
















Gabriela Salles fez o seu vestido de formatura no curso de Relações Públicas - PUC-Campinas com a gola Flor do Cardo preta.
Sucesso.

16 de jan de 2011

*MUSEU VIRTUAL DA RENDA TENERIFE*


Ao longo desses anos algumas pessoas nos mostraram peças da renda tenerife ou nhanduti que  encontraram numa gaveta ou baú, geralmente do enxoval da mãe ou avó. Pensando em ter acesso e  dar acesso dessas rendas a interessados e interessadas sem  que as pessoas tenham que se desfazer delas, estamos propondo a montagem de um acervo virtual.
O MUSEU VIRTUAL DA RENDA TENERIFE propõe a realização de um acervo colaborativo em que a própria pessoa se torna co-autor do blog,  fazendo a postagem com a foto de sua peça antiga, compartilhando com todos nós, interessados e rendeiras, a renda que possui sem ter que se desfazer dela.   
.
Clique AQUI e acesse.

.

8 de jan de 2011

Queimação das Palhinhas do Presépio



Símbolo do encerramento do ciclo das festas do Natal no Norte e Nordeste do Brasil, a queimação de palhinhas em louvor ao Menino Jesus é uma cerimônia realizada a cada início de ano, a partir do dia 6, Dia de Reis, quando se desmonta o presépio.

  

A amiga Marta Mursa realiza a festa tradicional no bairro em que mora em S. Paulo, no Butantã, na região conhecida como Morro do Querosene. Este ano seu presépio multicultural ganhou mais uma peça da cultura latinoamericana: uma toalhinha de renda sol que também serviu para embalar o Menino Jesus.
Quer saber mais desta desta tradição: clique AQUI
e AQUI.